segunda-feira, 23 de agosto de 2010

As principais rebeliões coloniais

      A crise do capitalismo comercial e as contradições no interior da colônia geraram a crise do colonialismo a partir da segunda metade do século XVIII. A Revolução Industrial tornou ultrapassado o mercantilismo. Portugal, não se adequando aos novos tempo, procurou superar a crise ampliando a exploração ao Brasil. Tal atitude estimularia as rebeliões nativas e as rebeliões de libertação nacional.
  • O choque inevitável entre Colônia e Metrópole: o funcionamento do sitema de exploração colonial gerava contradições na medida em que para explorar era preciso desenvolver a Colônia. O desenvolvimento forta a classe colonial que veio a se opor aos interesses metropolitanos. As tensões insuportéveis entre Colônia e Metrópole explodiram em diversas revoltas. 
  • Revolta de Beckman: Foi liderada pelo senhor de engenho Manuel Beckman, tendocomo palco o Estado do Maranhão, em1684. Essa revolta foi motivada pela crise de mão-de-obr que a Companhia Geral de Comércio do Estado do Maranhão não conseguiu solucionar e pelas dificuldades econômicas da empresa açucareira. Reprimida a revolta pelas forças metropolitanas,  Manuel Beckmam e mais dois chefes do movimento foram enforcados.
  • Guerra dos Mascates: foi o conflito entre os senhores de engenho de Olinda e os comerciantes de Recife, apelidados de mascates. Os senhores de engenho, revoltados contra a autonomia adminitrativa pretendida por Recife, organizam uma rebelião  que exlodiu em 1710. Ao final do conflito, os mascates saíram vitoriosos e Recife tornou-se ca capital de Pernambuco.
  • Conjuração Mineira: teve como palco o ambiente de Minas Gerais, na fase da decadência da exploração do ouro (1789). As idéias liberais eurpéia e o clima geral de dscontentamento diante dos pesados impostos  incediaram a revolta num influente grupo de conspiradores. O prejeto dos inconfidentes incluía medidas como: liberta o Brasil de Portugal contituindo uma República, com capital em São Jão Del Rei; fundar uma Universidade em Vila Rica; desenvolver manufaturas no País e estimular a agricultura. A Conjuração Mineira foi traída por alguns elementos que faziam parte do próprio grupo. O Governo agiu rapidamente, prendendo, julgando e condenando os implicados. Mas, somente Tiradentes foi condenado à morte, sendo enforcado e esquartejado, no dia 21  de Abril de 1792.
  • Conjuração Baiana: expludiu dez anos depois da Conjuração Mineira, em 1798. Tinhaum maior alcance popular, pois seus objetivos estavam mais voltados às aspirações do povo. Propunha, por exemplo, a abolição da escravidão, que não consta do projeto dos conjurados mineiros. O movimento baiano sofreu severa repressão e quatro rebeldes de origem humilde, João de Deus, Manuel Faustino, Luís Gonzaga e Lucas Dantas foram enforcadose esquartejados, em 8 de novembro de 1799. 
                                 Cronologia
1684- Explode, no Maranhão, a Revolta  liberada pelo senhor de engenho Manuel Beckman.
1710- Explode a Guerra  dos Mascates, conflito entre os senhores de engenho de Olinda e os comerciantes de Recife.
1720- Explode a Revolta de Vila Rica, liderada por felipe dos Santos.
1789- Organize-se conjuração Mineira, que teve como desfecho a condenação e à morte de Tiradentes (21 de abril de  1792).
1798- Prepare-se a conjuração Baiana, que contou com siguinificativa participação das camadas populares. Esta rebelião teve como defecho a pena de morte aplicada a João de Deus, Manuel Faustino, Lucas Dantas e Luís Gonzaga das Virgens (8 de novembro de 1799).

                                               Guerra dos mascates
Conjuração baiana


                   
                                  Sugestões de livros:
  • Holanda, Sérgio Buarque de (org). História geral da civilização brasileira.
  • Mendes Júnior, Antônio, Luiz& Maranhão, Ricardo.
  • Boxer, C.R. A idade de ouro do Brasil. São Paulo: Nacional,1963.

Um comentário: