sexta-feira, 13 de agosto de 2010

Povos indígenas no Brasil

Conhecendo os povos indígenas
          Para conhecer melhor os povos indígenas, é importante estudar sua língua. Os estudiosos da linguagem costumam agrupar as línguas em famílias, e estas, em troncos. As línguas indígenas faladas no Brasil podem ser classificadas em dois troncos linguísticos principais: o tupi, com cerca de dez famílias, e o macro-jê, com 12.
     Tronco Tupi - Famílias
Tupi-guarani     /      Arikém
    Mondé         /   Munduruku
     Aweti          /       Tupari
    Juruna          /     Puruborá
  Ranarana       /   Mawé (Sateré)

Tronco Macro-jê - Famílias
     Bororo        /      Botocudo
Maxacalí      /        Guató 
    Rikbaktsa      /     Yatê (Fulniô)
Karajá      /       Olayé
Jê      /      

Crianças kayapó da familia macro-jê
Diferenças e semelhanças entre os indígenas
         No ano 1500, quando os portugueses aqui chegaram, o território onde é hoje o Brasil era coberto por uma vegetação rica e variada, os rios eram limpos e havia grande variedade de animais. Viviam nessas terras mais de mil povos indígenas, somando de 3 a 5 milhões de pessoas.
As diferenças entre os indígenas
        Os povos indígenas são diferentes entre si; cada um possui sua língua, suas crenças e um jeito próprio de trabalhar, pensar, agir, celebrar, construir casas, relacionar-se. Cada povo tem, portanto, uma cultura própria.
As semelhanças entre os indígenas
       Se por um lado há diferenças entre os povos indígenas, por outro há também semelhanças, isto é, um conjunto de características comuns que os diferenciam dos demais povos. Vamos destacar três delas:
  1. A terra para os indígenas é de quem trabalha nela: Entre os indígenas, a terra petence a todos os habitantes de cada aldeia. Enquanto um grupo estiver trabalhando numa área, essa área e seus frutos lhe pertencerão. Já na sociedade capitalista, a terra é uma mercadoria -  algo que se compra, vendo ou aluga, quase sempre para acumular riqueza. uma pessoa pode ser dona de terras nas quais nunca pôs os pés ou só conheceu no ato da compra.
  2. A divisão do trabalho é feita por sexo e idade: Entre os indígenas as tarefas do dia a dia são divididas entre homens e mulheres. Entre os povos indígenas, crianças e idosos executam tarefas adequadas a sua idade e força física.
  3. Todos os membros do grupo têm acesso ao conhecimento necessário à sobrevivência física e cultural: Basta pertencer a determinado grupo indígenas para aprender como obter alimentos, fazer utensílios e armas, construir moradias e ter direito a conhecer os rituais, as festas e tradições do grupo.
Indígena da etnia waurá durante pescaria
A infância entre os indígenas
      Apesar de cada povo indígena ter hábitos e costumes próprios, em todos eles as crianças têm um modo bem parecido de viver. Geralmente, elas moram não apenas com pai e mãe, mas com a família extensa.
A presença tupi
        É pouco também o que se sabe sobre os povos que, em 1500, viviam no território onde hoje é o Brasil.
 Mapa dos povos indígenas em 1500
A chegada dos portugueses
      Na época de Cabral, os indígenas eram muitos. Suas casas eram ruidosas e movimentadas. Suas aldeias eram grandes (chegavam) se comparadas às da Amazônia atual (com cerca de 200 pessoas). Como na América espanhola, o contato direto ou indireto com os solonizadores foi fatal para os povos indígenas. As armas de fogo, as doenças e o trabalho forçado provocaram a morte de centenas de milhares deles. As doenças trazidas pelos portugueses, algumas banais, como a gripe, e outras mais graves, como a tuberculose e a varíola, mataram muitos nativos em pouco tempo, pois seu corpo não tinha defesas naturais contra elas.
Povos indígenas hoje
        Durante muito tempo, afrimou-se  que o contato com "civilizado" levaria os pocos indígenas ao desaparecimento. Hoje os próprios indígenas discordam disso e dizem que acreditam em si e em sua sobrevivência. E os números dão razão a eles. Entre 1970 e 1991, a população indígena saltou de 97 mil para 294 mil pessoas. Posteriormente, continuou crescendo.
       Em 2008, os cerca de 940 mil indígenas estavam agrupados em 227 povos , que falavam 180 línguas, das quais apenas metade havia sido estudada e era, de fato, conhecida.
As lutas indígenas
      Há tempos os indígenas vêm lutando pelo reconhecimento de seus direitos à terra, à saúde e à educação, entre outros. Nas últimas décadas, a organização e a força dos povos indígenas vêm crescendo. Há atualmente mais de 180 organizações indígenas, isto é, organizações liberadas pelos próprios índios, entre as quais cabe citar: a União das Nações Indígenas (UNI), fundada em 1980, e a Coordenação das Organizações Indígenas da Amazônia (Coiab), fundada em 1992. Há ainda o trabalho de organizações indigenistas (Organizações de não índios favoráveis à causa indígena), como o Conselho Indigenista Missionário (Cimi), ligado à Igreja Católica.
A luta pela terra
       A luta dos povos indígenas não tem sido em vão. Várias leis da Constituição brasileira de 1988 são de seu interesse. Por exemplo, o $ 2° do artigo 231 reconhece que "as terras tradicionalmente ocupadas pelos índios destinam-se a sua posse permanente, cabendo-lhes o usufruto exclusivo das riquezas do solo, dos rios e dos lagos nelas existentes".
       Outro problema é que mesmo as terras indígenas demarcadas têm sido invadidas por pessoas e empresas interessadas nas riquezas (ouro, madeira etc.) existentes ali.

Terras indígenas no Brasil atual
A luta pela cultura
          Há ainda outros problemas que afetam os indígenas no Brasil: eles encontram-se espalhados por áreas distantes umas das outras, divididos em muitos povos que falam línguas diferentes e, geralmente, com poucos recursos materiais. Apesar disso, com a ajuda de seus aliados, os indígenas vêm obtendo novas conquistas; uma conquista recente foi a Lei n. 11 645, de 2008, que torno obrigatório o estudo da cultura afro-brasileira e indígena nas escolas de Ensino Fundamental e Ensino Médio, públicas e particulares de todo o Brasil.
         Os indígenas, por sua vez, vêm se esforçando também para manter sua lingua, tradições, costumes; enfim, sua cultura. Exemplo disso é o empenho de professores indígenas em ensinar sua língua às crianças matriculadas nas escolas indígenas.
Livro, Site, Filme
  • HECK, Egon; PREZIA, Benedito. Povos indígenas: terra é vida. Atual, 1999
  • FUNAI. Disponível em: <www.funai.gov.br/>
  • Desmundo. Direção de Alain Fresnot. Brasil: Sony Pictures, 2003. (101 min).

    2 comentários:

    1. ótima introducção às problemáticas da questão "indígena". Para ir um pouco mais longe a gente deve se perguntar, e então? Como alimentar a tribo/aldeia numa sociedade que funciona com mercado de troco? Como definir estas culturas num contexto completamente estrangeiro?
      Não chega se queixar, o homem não conquista o seu lugar com queixas mais pela constucção so seu proprio projeto.

      ResponderExcluir